Unicistas Pentecostais

sábado, 3 de setembro de 2016

Felipenses 2

Entendendo o texto

Onde estaria a trindade? Se Jesus fosse o Deus-filho, ele não teria considerado a hipótese de usurpar a igualdade com Deus? Isto por que, se Jesus é co-igual, co-eterno, qual seria a explicação para uma possível usurpação?
Ele não precisaria usurpar uma igualdade com Deus. Ele já a teria. O defensores da trindade, não se dão conta de que o texto estabelece a divindade de Cristo.
Comparando algumas possíveis tradução do versículo 6 se deve principalmente à palavra ἁρπαγμός. Ela pode significar usurpar ou coisa a se apegar. Os dicionários ensina que quando a palavra é usada, ela possa ser substituída por qualquer definição encontrada no dicionário, muito menos que podemos escolher qualquer definição listada ali. O que vai definir o significado de uma palavra, dentre aqueles listados no dicionário, é o contexto. Assim, diante dos significados apresentados para ἁρπαγμός, qual deles de fato se encaixam no contexto?
Tudo irá depender de outra palavra presente no versículo: ὑπάρχω, que é traduzida por “subsistindo”. A palavra é um particípio, e como particípio ela pode estar sendo empregada aqui de duas formas possíveis: ela pode ser um particípio concessivo ou um particípio causal. O particípio concessivo indica que algo é feito “a despeito de” ou “embora” outra coisa aconteça. Neste caso, portanto, ὑπάρχω seria traduzido como “embora subsistindo ...” ou “apesar de existir ...”. O particípio causal, no entanto, informa a causa para que algo aconteça.

A tradução de ὑπάρχω neste caso seria “por subsistir ... é que...”
Sendo assim, temos duas traduções possíveis. Se ὑπάρχω for um particípio concessivo, o único significado que podemos escolher para ἁρπαγμός é coisa a se apegar. Nesta situação, Paulo estaria dizendo que Jesus mesmo sendo Deus e tendo o direito a toda glória, não se apegou à sua divindade. Ele abriu mão de toda a honra que lhe era devida para se tornar servo. Houve aqui uma concessão: Jesus se tornou servo mesmo sendo Deus.
Por outro lado, a segunda opção é possível se ὑπάρχω for um particípio causal. Para este caso, ἁρπαγμός significaria usurpação. E curiosamente aqui vemos o mesmo raciocínio que apresentamos no início desta seção. Paulo estaria dizendo que Jesus não pensou em usurpar a igualdade com Deus. Por quê? Por que ele já subsiste em forma de Deus. Aqui ὑπάρχω nos fornece os motivos para que Jesus não tenha feito esta consideração.
Porque? Claramente se entende que Jesus é Deus na forma de homem, que por sua própria vontade vez está escolha (mas esvaziou-se a si mesmo “v7”), por isso não era algo que precisava mostrar para alguém.

Pastor Luciano Batista
Igreja Apostólica do Brasil
Conteúdo extraído da internet

Disse o Senhor ao meu Senhor

Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés. Salmos 110.1

Ainda a suposta conversa entre o pai e o filho em Salmos
Um dos salmos mais diretamente messiânicos.
O próprio Jesus identificou Davi como escritor deste salmo, como, aliás, indica o título. A interpretação que Cristo fez deste salmo é crucial para desvendar o seu significado
Uma questão de lógica aos que lêem a bíblia é o uso da expressão ASSIM DISSE O SENHOR ou DISSE O SENHOR
Outra vez na questão de conversa divina torna este texto isolado. Sendo assim é um texto profético messiânico sobre o Cristo, que mesmo vindo na descendência de Davi o mesmo ainda o chama de Senhor

Pastor Luciano Batista
Igreja Apostólica do Brasil

O NOME DO MEU DEUS

O NOME DO MEU DEUS

A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, donde jamais sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, da parte do meu Deus, e também o meu novo nome. Apocalipse 3.12
Antes de imaginar que Jesus e Deus são pessoas distintas neste texto. Primeiro você tem que se dar ao trabalho de acreditar que também são deuses tistinto.
Porque? Se o fato dos nomes, faz você ver duas pessoas. Séria coerente olhar onde Jesus aponta o MEU DEUS
Séria então um Deus do outro?

Vamos a lógica bíblica: A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus. Cristo promete que o fiel será uma coluna, a parte mais estável e permanente de uma construção. Ser uma coluna no templo indica ter um lugar de honra, autoridade e estabilidade devido à fidelidade e firmeza demonstrada no serviço proeminente prestado ao Reino de Cristo (Is 22.23; Lc 19.16-19). [Também indica unidade, comunhão profunda e íntima com Deus; infusão da natureza divina na humana, pela habitação do Espírito.]


A quem vencer, [...] escreverei sobre ele o nome do meu Deus e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém. Sobre o vencedor [uma coluna no templo] será inscrito o nome de Deus (símbolo de identificação e pertencimento), o nome da Nova Jerusalém (indicando a nova cidadania) e o novo nome de Cristo (indicando a revelação completa de Sua pessoa e natureza). [Nos templos antigos eram gravados, além dos nomes das divindades ali adoradas, os nomes dos sacerdotes, heróis e outros personagens importantes.] O vencedor e associado Ao Rei dos reis, Seus governantes e ao centro governamental do Reino por toda a eternidade (Ap 21.9—22.21).

Em resumo: Não se trata de duas divindades, mas sim de uma expressão de padrão dos exércitos usada pelo escritor para descrever a Glória dos vencedores

Pastor Luciano Batista
Igreja Apostólica do Brasil

domingo, 28 de agosto de 2016

Façamos o homem

Por que a Bíblia usa o plural da primeira pessoa,
quando Deus se refere a si mesmo?
Gênesis 1.26

Os eruditos cristãos e judeus afirmam que Deus é um só. Com efeito, a histórica confissão de fé de Israel é tirada de Deuteronômio 6.4, que diz: "Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor". Entretanto, se Deus é um só, por que este versículo em Gênesis traz o plural da primeira pessoa?

Têm sido dadas muitas explicações no decorrer da história. Alguns comentaristas dizem que esse foi meramente um caso em que Deus estava se referindo aos anjos, Mas isto é improvável, já que no versículo 26 ele diz: "Façamos o homem à nossa imagem" e que o versículo 27 esclarece: "criou Deus... o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou", não à imagem dos anjos.
            Outros têm declarado que o plural refere-se à Trindade. No NT afirmando que o Filho (que também seria Deu) estava envolvido na criação dos céus e da terra. Isolando e forçando interpretação de Gênesis 1.2 afirmam que o Espírito Santo (Que também seria Deus) estava envolvido no processo da criação. Não precisa ser eruditos para notar que a trindade é uma doutrina forçada e anti Bíblica. Entretanto, estudantes da gramática hebraica destacam que o plural é requerido simplesmente porque a palavra empregada no original para "Deus" é elohim, que é uma palavra no plural ("Também disse Deus [elohim, no plural]: 'Façamos [no plural] o homem à nossa [no plural] imagem' "). Conseqüentemente, argumentam eles, esta afirmativa não pode ser usada para provar a doutrina da Trindade.
            Ainda outros têm afirmado que o plural é empregado como uma figura de linguagem, chamada plural majestático. Com este emprego, Deus estaria falando a seu respeito de maneira a indicar que todo o seu poder e sabedoria majestáticos estariam envolvidos na criação do homem.
            Como foi observado, o uso do plural é feito em concordância com a palavra hebraica elohim (no plural), a qual é traduzida por "Deus". O fato de o substantivo "Deus" ser plural no hebraico não quer dizer que haja mais de um Deus, ou que seja uma referência a Deus como sendo um grupo de astronautas extraterrestres. Há um grande número de passagens no NT que se referem a Deus com o substantivo grego correspondente theos, que é uma palavra singular e também é traduzido como "Deus" (Marcos 13.19; João 1.1; Efesios 3.9; etc).

RESUMO: Temos muito a aprender sobre a grandeza de Deus, porém a doutrina pagã da trindade tem dificultado isso. Uma vez que estamos em um pais católico, onde a convivência com a idolatria e comum e assim a trindade se torna uma doutrina bem aceitável.
Neste canal estamos oferecendo a oportunidade de ser LIBERTO destas idolatrias, e por fim conhecer o VERDADEIRO Deus.

Pastor Luciano Batista
Igreja Apostólica do Brasil

Atos dos Apóstolos 19.1-10

Atos dos Apóstolos 19.1-10

Tendo passado por todas as regiões superiores, chegou a Éfeso e, achando ali alguns discípulos. Esses discípulos, doze varões (v. 7), haviam sido batizados no batismo de João, mas nunca tinham ouvido falar do Espírito Santo. Tudo que eles sabiam era que alguém mais poderoso que João haveria de vir. Eles não sabiam que Jesus, o Messias, Aquele que é mais poderoso que João, já tinha vindo. Jesus já havia morrido pelos pecados deles, ressuscitado dentre os mortos, assegurando a verdadeira redenção dos pecados e da vida sem Deus. Eles precisavam ouvir o restante do evangelho. E, assim que isso acontecesse, eles poderiam ter fé em Jesus Cristo e receber o Espírito Santo.

O batismo era um ritual usado pelos judeus como um símbolo de limpeza e purificação. Os judeus que se convertiam ao judaísmo tinham de passar por esse ritual de purificação como seu primeiro ato de adoração. Eles eram mergulhados nas águas, o que simbolizava que estavam sendo purificados de seu antigo modo de vida. Antes de entrarem no templo para adorar, os judeus mergulhavam em um tanque em um ritual que demonstrava seu desejo de purificação. Mas o mergulho realizado por João Batista era um chamado ao arrependimento, e não meramente um ritual de purificação. O batismo proclamado por ele era um clamor a que o povo se voltasse para Deus e cresse na vinda do Messias que perdoaria os seus pecados (Mt 3.1-12).
Tanto o ritual como o batismo de João, era um caminho para o Messias. Agora com o evangelho completo temos mais que um caminho ou uma cerimónia religiosa, temos um ato de sepultamento onde o nome do REMIDOR é invocado.

Em nome do Senhor Jesus. Essa frase é uma declaração de propriedade, a confissão de Jesus como Senhor e Salvador de nossas vida. Por está razão o batismo deve ser realizado em nome de Jesus, afim de garantir sua autoridade e também confirmar seu poder resgatador. Sendo o batismo a símbolo de um novo nascimento é inadmissível que o mesmo seja realizado sem o uso do nome verdadeiro de Deus.

Impondo-lhes [...] as mãos. O Espírito Santo foi recebido por imposição de mãos. Ao impor suas mãos aqui, Paulo estava mostrando sua autoridade apostólica. Ele também estava confirmando a união da nova Igreja em Efeso com a Igreja de Jerusalém, cujos membros também tinham recebido o poder do Espírito Santo e falavam em línguas (At 2.4,11) Esse falar em línguas era um sinal para todos de que eles faziam parte do Corpo de Cristo (1 Co 14.22).

A partir da Igreja de Efeso, outras igrejas nasceram na Ásia Menor — em Colossos, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardis, Filadélfia e Laodiceia. Todas com o mesmo ensino e mesmo batismo  (Efésios 4.5). Na afirmação de Paulo quando diz: Um só batismo
Ele está assegurando que todas as igreja realizam o mesmo batismo invocando o nome do Senhor Jesus.
Veja a sequência dos eventos. Paulo fala aos judeus na sinagoga por três meses persuadindo-os acerca do Reino de Deus. Depois que eles o rejeitaram totalmente, Paulo reuniu os que tinham crido e começou uma nova escola para estudar as Escrituras em um local cedido por um filósofo chamado Tirano. Durante os dois anos que Paulo dirigiu essa escola, todos os que habitavam na Ásia ouviram o evangelho. Isso mostra que Paulo e seus alunos fizeram mais do que estudar; eles também evangelizaram.

Pastor Luciano Batista
Igreja Apostólica do Brasil
whats 11964545731

Jesus o filho de Deus

Jesus o filho de Deus

Vamos entender a saber como defender a pregação apostólica quando confrontada com algumas heresias.

Qual é o propósito do filho?
Após Adão e Eva pecar comendo do fruto Deus, decidiu vir a terra como um homem para DESFAZER o erro de Adão
“Porque, assim como por um homem veio a morte, também por um homem veio a ressurreição dos mortos”. 1 Coríntios 15.21

Deus profetizou que o descendente da mulher séria o que faria esse trabalho.
“Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua descendência e a sua descendência; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”. Gênese 3.15

Porém todo descendente (nascido da mulher), precisa de uma pai. Se esse pai fosse um homem, ele traria para essa criança a semente do pecado de Adão (por um homem veio o pecado), então Deus fez um segundo Adão. Um homem feito por Deus sem a ajuda da relação sexual entre homem e mulher
“Portanto o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel”. Isaías 7.14

Por esse motivo o descendente da mulher nasceu de uma virgem, para não trazer o pecado de Adão
“mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo de lei”, Gálatas 4.4

O filho é Deus?

A resposta é muito óbvia: NÃO!
Nem pode ser uma vez que para ser filho, obrigatoriamente deve ser criado ou formado
Se fosse criado ou formado, não poderia ser Deus.
“Outrora, quando não conhecíeis a Deus, servíeis aos que por natureza não são deuses” Gálatas 4.8

Como entender as orações e referências que Jesus fazia ao pai?
Bom, logicamente sabemos que Jesus o Cristo era o cordeiro, sacerdote e também nascido da mulher.
Por ser sacerdote Ele tinha o DEVER de manter uma vida de oração
Hebreus 5.3-5
3 - E por esta razão deve ele, tanto pelo povo como também por si mesmo, oferecer sacrifício pelos pecados.
4 - Ora, ninguém toma para si esta honra, senão quando é chamado por Deus, como o foi Arão.
5 - assim também Cristo não se glorificou a si mesmo, para se fazer sumo sacerdote, mas o glorificou aquele que lhe disse: Tu és meu Filho, hoje te gerei;

Como nascido da mulher, Ele tinha ciência que mesmo sendo homem, Ele era o Emanuel (Deus feito homem) e por essa razão, Ele sempre deixava claro que não faria sua própria vontade (usurpar ser igual a Deus)
“o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar” Felipenses 2.6

Quando as cartas faz referências ao Deus é pai de nosso Senhor Jesus Cristo, como entender isso?

Qualquer leitor da Bíblia deve estar acostumado com essa apresentação formal
Confira:
“Assim veio também a palavra do Senhor, por intermédio do profeta Jeú, filho de Hanâni” 1 Reis 16.7

“Então disse o rei de Israel a Jeosafá: Ainda há um homem por quem podemos consultar ao Senhor - Micaías, filho de Inlá” 1 Reis 22.8

“os quais, deixando o caminho direito, desviaram-se, tendo seguido o caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça” 2 Pedro 2.15

“E, passando mais adiante, viu outros dois irmãos - Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João, no barco com seu pai Zebedeu, consertando as redes; e os chamou” Mateus 4.21

Se tu é  um leitor da Bíblia deveria se espantar com tal apresentação
Lembrando que a chamada trindade cristã teve sua origem em Tertuliano no ano 200 dC e o último apostolo morreu no ano 90 dC
Ou seja os apóstolos nunca pregaram a trindade cristã e também enfrentava esse problema uma vez que a trindade sempre foi uma doutrina pagã.

Sim Jesus o Cristo, foi gerado no ventre de uma virgem, o que faz Deus o pai desta criança
“Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, ela se achou ter concebido do Espírito Santo”. Mateus 1.18

Porém aprendemos com o anjo que Jesus na eternidade não é o filho de Deus. Uma vez que o anjo disse SERÁ CHAMDO filho de Deus
“Respondeu-lhe o anjo: Virá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso o que há de nascer será chamado santo, Filho de Deus” Lucas 1.35

Pastor Luciano Batista
Igreja Apostólica do Brasil

A DUPLA NATUREZA DE CRISTO

A DUPLA NATUREZA DE CRISTO

O assunto dupla natureza de Cristo é motivo de muita contradição pelo fato de não ser claramente definido.
Assim como a teologia (Estudo sobre Deus), o estudo sobre a trindade e unicidade não tem apresentado muito diferença do que se pregavam a 2000,00 atrás.

Você ficaria assustado por saber que a nossa maior ferramenta de pregação unicista vem de berço trinitário.
Tertuliano, conhecido por alguns unicistas como pai da trindade, foi um excelente pregador da dupla natureza como a conhecemos hoje.
Nenhum trinitário que se prese nega a dupla natureza de Cristo, eles apenas negam que Deus venho em carne.

Nisto conheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; 1 João 4.2

Sabemos também que já veio o Filho de Deus, e nos deu entendimento para conhecermos aquele que é verdadeiro; e nós estamos naquele que é verdadeiro, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. 1 João 5.20

Vamos agora entender a dupla natureza de Cristo

Observe que eu disse a dupla natureza de Cristo, eu não disse a dupla natureza de Jesus ou de Deus.
Por que?
Quando se refiro ao Cristo estou falando do homem ungido pelo Espírito de Deus.
Quando me refiro a Jesus, não estou me referindo a sua humanidade apenas mas a tudo que seu nome representa (e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai Eterno, Príncipe da Paz. Isaías 9.6)

O que faz de Jesus homem?

Seu nascimento: “e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz”. Filipenses 2.8
Suas limitações: “Prosseguiu, pois, Jesus: Quando tiverdes levantado o Filho do homem, então conhecereis que eu sou, e que nada faço de mim mesmo; mas como o Pai me ensinou, assim falo” João 8.28

“Jesus chorou” João 11.35

“E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome”. Mateus 4.2

“Depois, sabendo Jesus que todas as coisas já estavam consumadas, para que se cumprisse a Escritura, disse: Tenho sede”. João 19.28

“E eis que se levantou no mar tão grande tempestade que o barco era coberto pelas ondas; ele, porém, estava dormindo” Mateus 8.24

“mas vindo a Jesus, e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas” João 19.33

Jesus o Cristo foi um homem incomparável, Ele demonstrou que qualquer pessoas que usar sua fé, pode alcançar muitas coisas da parte de Deus, sem precisar ser divino.
Mesmo como homem Jesus andou sobre as águas, alimentou multidões, proveu pescas maravilhosas,  curou muitos infernos e até mortos ressuscitou.
Veja que seus discípulos sabia que era um homem
E aqueles homens se maravilharam, dizendo: Que homem é este, que até os ventos e o mar lhe obedecem? Mateus 8.27

E Jesus afirma que isso está disponível a todos: “Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê em mim, esse também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas; porque eu vou para o Pai” João 14.12

O que faz de Jesus Deus?
Mostramos sua natureza humana através de suas limitações, para mostrar sua natureza divina usaremos seus atributos de Deus
“porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” Colossenses 2.9

As profecias dão testemunho dEle, pois nunca foi dito que Deus daria um deus para resgatar seu povo, mas sempre apontava com o verdadeiro Deus vindo resgatar.
“Porque assim diz o Senhor Jeová: Eis que eu, eu mesmo, procurarei as minhas ovelhas, e as buscarei” Ezequiel 34.11

“Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas” João 10.11

Análise a pergunta de João Batista: És tu aquele que havia de vir, ou havemos de esperar outro? Mateus 11.3

Agora pense na resposta de Jesus: Respondeu-lhes Jesus: Ide contar a João as coisas que ouvis e vedes: os cegos vêem, e os coxos andam; os leprosos são purificados, e os surdos ouvem; os mortos são ressuscitados, e aos pobres é anunciado o evangelho. E bem-aventurado é aquele que não se escandalizar de mim. Mateus 11.4-6

Agora entenda porque Jesus deu essa resposta: Dizei aos turbados de coração: Sede fortes, não temais; eis o vosso Deus! com vingança virá, sim com a recompensa de Deus; ele virá, e vos salvará. Então os olhos dos cegos serão abertos, e os ouvidos dos surdos se desimpedirão. Isaías, 35:6 - Então o coxo saltará como o cervo, e a língua do mudo cantará de alegria; porque águas arrebentarão no deserto e ribeiros no ermo. Isaías 35.4-6
O vosso Deus virá, não diz o Filho de Deus virá!

Quem conheceu Jesus e ouviu pregar testifica que Ele é Deus.
Responderam-lhe os judeus: Não é por nenhuma obra boa que vamos apedrejar-te, mas por blasfêmia; e porque, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo. João 10.33

Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu, e Deus meu! João 20.28

“de quem são os patriarcas; e de quem descende o Cristo segundo a carne, o qual é sobre todas as coisas, Deus bendito eternamente. Amém” Romanos 9.5

“Sabemos também que já veio o Filho de Deus, e nos deu entendimento para conhecermos aquele que é verdadeiro; e nós estamos naquele que é verdadeiro, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna” 1 João 5.20

Jesus é onipresente: Ora, ninguém subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o Filho do homem. João 3.13

João, 1:48 - Perguntou-lhe Natanael: Donde me conheces? Respondeu-lhe Jesus: Antes que Felipe te chamasse, eu te vi, quando estavas debaixo da figueira. João 1.48

Jesus é onisciente: Agora conhecemos que sabes todas as coisas, e não necessitas de que alguém te interrogue. Por isso cremos que saíste de Deus. João 16.30

Mas Jesus, conhecendo-lhes os pensamentos, disse: Por que pensais o mal em vossos corações? Mateus 9.4

Jesus é onipotente: e tendes a vossa plenitude nele (Jesus), que é a cabeça de todo principado e potestade, Colossenses 2.10

Eu sou o Alfa e o ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso. Apocalipse 1.8

Sendo assim cremos que o Cristo possuía dupla natureza, sendo a natureza Divina e a natureza humana

Não era os milagres que fazia de Jesus Deus, mas sim seu atributos e as profecias
E como homem, Ele sem sobra de dúvida foi um homem brilhante.

Pastor Luciano Batista
Igreja Apostólica do Brasil